Os Livros Ardem Mal

Fin de la minotauromaquia

Posted in Óbitos, Cinema, Livros, Polémica by Pedro Serra on Terça-feira, 07-07-2009

 joseph b,_1974

“the eye is infinitely more potent than the gun”

Donna Haraway

Ni pingüinos, ni salmones, ni la ardilla roja, ni tan siquiera el lagarto del Loch Ness. Cuando cruzas el límite del bosque de los 100 acres, allá no conversarás con un Winnie the Pooh muy pulido por el tao (cfr. Hoff, The Tao of Pooh). En Grizzly Man (2005), Werner Herzog vuelve a los enemigos íntimos, acaso a la alteridad más recóndita e intratable (y, por ello, objeto ‘teológico’): la enajenación, que el documental modula en la cándida visión pastoril de un eco-guerrero: Timothy Treadwell. Radical revisión de los supuestos antropomorfizantes y humanistas del utopismo naturalista (que no ‘ecologista’) militante, la vida y muerte de Timothy Treadwell es la historia, justamente, de un encuentro impensable, de una regresión imposible: el reencuentro del hombre con una naturaleza totémica, la exterior pero también la interior (algo como una ‘naturaleza humana’). Hagiografía de la locura, pero también de una santidad distintivamente ‘étnica’ (es decir, de una santidad made in EE. UU. A.), la vida y muerte de San Timothy, cruce de restos del romanticismo transcendentalista americano y del idealismo rousseauniano, embarcado en una robinsonada al límite del límite, ve en el hermano oso un igual. De hecho, quiere ‘ser un oso’ y se comporta como un oso. Fábula, una vez más, americana: el mundo de la infancia, de la infancia en una familia de ‘clase media’ –motor naturalizado de la Historia, o de una Historia naturalizada, arcadia burguesa truncada por una deriva juvenil de alcohol y drogas (sic)–, es recuperado en el Katmai National Park. Bien literaria la ‘expiación’, en lo que tiene de búsqueda de una nueva frontera de redención, dónde se pueda empezar de nuevo, hacer tabula rasa, devenir adámico en la fusión humano/animal. Allá en la península de Alaska, habrá tenido Timothy su “day of reckoning”. Allá se salva, allá reencuentra padre, madre, acaso novias más y menos peludas: su zoo privado, su familia íntima (¿la familia es un zoo privado?). Una familia reinventada desde lo “fraterno”, una familia post-patriarcal porque no se basa en la domesticación. En fin, si el oso es su osito de peluche que los padres muestran a la cámara, el Katmai National Park es su zoo íntimo.

Su zoo íntimo… De ahí la invectiva delirante contra las autoridades del parque, enfrentamiento implacable a un Estado hobbesiano, a una sociedad leviatanesca, que inventa una política de reservas, inventándose al mismo tiempo como operador de distinciones, entre ellas, la más destacada, la que distribuye ‘lo animal’ y ‘lo humano’. Aún y siempre, invención decimonónica, romántica. Timothy, el individuo frente al Estado y a la Sociedad… pero ¡ojo!: ya es sólo el individuo como fantasma, pues Timothy no ‘da la cara’, no se enfrenta ni a poachers ni a turistas, los mira de lejos. Está allí, justamente, como locus genii. Y nada más es que espíritu del lugar en tanto que ‘personaje’ de su propia fábula, su auto-filmación. Asimismo, acaso el Estado enfrentado ya sólo es pensable como fantasma también. “Fuck you, fuck you”, corte de mangas, “Fuck you, fuck you”… armas con que Timothy, muy a lo Bouncy Tigger, hace la hipóstasis del Leviatán fantasmal. Aporías y agonías de la política de la amistad (cfr. Derrida, Politiques de l’amitié) y/o de la enemistad (cfr. R. de la Flor, “¡Oh amigos míos: no hay amigos! Políticas de la enemistad entre el Barroco y la Ilustración española”).

Acerquémonos, pues, al abismo de esa demanda de un engendro híbrido hombre-oso. Pero lo haremos trabando la escritura con otro devenir-animal: “man coupled with his animal in an underlying act of bullfighting” (Deleuze, “The Body, the Meat and the Spirit: Becoming Animal”). Un devenir-animal para nosotros más situado, el hombre-toro, ese “semidios bestial” táurico del que habla Michel Leiris en Espejo de tauromaquia (1938). Un acercamiento transversal –el Planeta del Oso y el Planeta del Toro, americano uno, hispano el otro– mediándolo por el límite borroso/borrado de la copulativa humano/animal. Herzog, Leiris y el dimidiado minotauromáquico.

Lo último primero: natura non fecit saltus, no hay comer ni ser deglutido, ni un cordero que fuera lobo, tan sólo un estar ahí –los insectos (a Timothy Treadwell no le gustan… ¿herencia de una retórica calvinista/puritana de un Jonathan Edwards y su “Sinners in the Hands of an Angry God”?), aunque no creas en ellos, los insectos están siempre ahí, pura inmanencia, lo Real–, una ondulación de diferentes intensidades, sin expansión o contracción. Ecce imago: ¿La mirada de un oso? ¿La mirada de un toro? ¿Qué ‘mirada’? Un ombligo invidente, un ombligo en el paisaje, la plaza como ombligo. En tanto que espíritu del lugar, Timothy borra la distinción entre yo y afuera. Pudiera ser que su mirada a la cámara fuera tan vacía como la del OSO 141. La cámara digital, el metraje digital de más de cien horas de grabación, ¿es mirada de qué o quién? En todo caso, lo que cuenta es el ojo de la cámara, nueva “máquina en el jardín” bucólico americano (cfr. L. Marx, The Machine in the Garden. Technology and the Pastoral Ideal in America).

(more…)

Anúncios

Comentários Desativados em Fin de la minotauromaquia

Por uma liga hanseática de livrarias decentes

Posted in Polémica, Vária by Rui Bebiano on Terça-feira, 19-08-2008

Um texto de Osvaldo Manuel Silvestre sobre a impossibilidade de encontrar um único título de Jorge Luis Borges nas livrarias de Coimbra, e depois dele o seu útil post-scriptum, suscitaram um comentário de João Diogo seguido de uma resposta do primeiro. Ficam os links para quem pretenda conhecer os seus argumentos – que se completam mais do que se contrariam -, pelo que me limito a abordar o problema principal que a ambos preocupou. Refiro-me à gestão dos stocks de livros na sua relação com um certo número de inquietantes alterações perceptíveis na fisionomia de boa parte das nossas livrarias e dos seus clientes. Um problema associado à crescente dificuldade que têm os grandes leitores, os verdadeiros e obstinados amantes dos livros, em encontrarem as obras que procuram ou que gostariam de poder descobrir quando deambulam pelo interior de livrarias que cada vez mais se banalizam. Confundindo-se, na disposição espacial e no modo de estar dos seus frequentadores, com os alegres e ruidosos corredores dos grandes centros comerciais e dos hipermercados. E nas quais esses leitores se não sentem bem.

(more…)

Comentários Desativados em Por uma liga hanseática de livrarias decentes

O Maio de 68 de A. J. Saraiva, 38 anos depois (II)

Posted in Comentários, Polémica by Osvaldo Manuel Silvestre on Domingo, 25-05-2008

O que se celebra então na actual recuperação do livro de Saraiva? Pacheco Pereira, num daqueles momentos que o definem como criatura dos média, lembrou, contra Sarkozy, que não fora Maio de 68 e a relação daquele com Carla Bruni não seria aceitável… O problema é que se de Maio de 68 nos fica isto (os «costumes» alterados), a leitura é demasiado curta para poder recuperar o livro de Saraiva. Relembro um passo decisivo do livro. Trata-se do final de uma descrição de mais um dos longos debates na Sorbonne ao longo desse mês:

Um anarquista, muito calmo e metódico, diz que o marxismo intelectual não é subversivo, e a prova é que o Marx é estudado na Sorbonne e faz parte das matérias de exame nas Ciências Políticas. Uma moça entrar no quarto com um livro de Marx debaixo do braço não é subversivo. Subversivo é ela entrar com um amante. Subversivo é haver uma música de jazz no pátio da Sorbonne. Metodicamente, o nosso anarquista enuncia quatro atitudes subversivas e portanto revolucionárias: 1º a liberdade sexual; 2º a contemplação e a atitude mística, sem finalidade (a este propósito lembrou a perseguição da polícia aos hippies); 3º a preguiça; 4º a reclamação da mudança da situação do homem (que não mudou desde o princípio do século XIX). De tudo, foi o que mais me interessou no tempo que assisti a este debate. (p. 89)

Somemos a isto (sobretudo aos pontos 2 e 3) a insistente denúncia da «superstição do Progresso»; ou a colocação da verdadeira revolução – a espiritual e cultural – sob a égide de figuras como S. Francisco de Assis, Gandhi ou Tolstoi. Cabe então perguntar de que celebração se trata, esta a que assistimos no corrente mês a propósito do livro de Saraiva. Porque explicar os adquiridos de Maio de 68 pela presença de Carla Bruni no Eliseu é ainda tudo reduzir à lógica da sociedade do espectáculo, o que, para Saraiva, seria mais do mesmo. O que Saraiva busca no seu livro de 1970, e o que busca, por interposto João Cândido, no Maio de 68, é o momento místico em que a linearidade da história se suspende e o sublime político irrompe, lançando-nos naquela terceira margem do rio de que falava João Guimarães Rosa (e que Saraiva traduz na expressão «um mar sem margens»). Nesse sentido, o livro de Saraiva é o mais falso dos adquiridos deste Maio de 2008, já que estes 40 anos nos afastaram vertiginosamente daquilo que em Maio de 68 parecia prometer «que a sociedade industrial moderna, tal como aparece nos países capitalistas, ia estalar» (p. 54). Sejamos justos: Pacheco Pereira, como na prática quase todos os ex-revolucionários de 60 e 70, estão hoje mais longe ainda das coordenadas do livro de Saraiva do que estavam à data da sua edição. Porque se podiam então partilhar com Saraiva a «crítica do capitalismo» (mas não os pressupostos em que repousava a crítica de Saraiva, e que o autor desenvolverá depois no período, já pós-Abril, em que será co-director de Raiz & Utopia), estão hoje maciçamente «do lado do capitalismo» ou da modernidade burguesa. Não se trata de reivindicar, fora de tempo, uma pureza filosófico-política perdida; trata-se sim de dar a ver a evidência de que o livro de Saraiva é hoje mais inassimilável ainda do que no passado, na medida em que a derrota do comunismo alargou ainda mais o espectro da crítica de Saraiva: agora, todos os que se sentiam atraiçoados por Saraiva em 1970 estão declaradamente do outro lado. O que equivale a dizer que Saraiva nos fala cada vez mais de lado nenhum.

O que isto significa, simplesmente, é que a geração que, pela voz de Pacheco Pereira, se reconcilia com o livro de Saraiva (ao fim de 38 anos, note-se – e registe-se a resistência a essa reconciliação ainda há 10 anos), se reconcilia, sim, com a sua boa consciência geracional, como quem diz: «Não devíamos ter tratado assim o homem: éramos radicais e fomos apressados e injustos». A resposta a esta (pequena) contrição moral e a esta falsa contrição política é dupla. Em primeiro lugar, convirá insistir em que, ao contrário das aparências, quem era radical era Saraiva. Pacheco Pereira, esse (e todos os que o acompanhavam) limitava-se a seguir a cartilha da grande narrativa moderna da emancipação pelo progresso, em que continua obviamente a acreditar, e se calhar agora mais do que dantes. O segundo ponto é um resumo ético-político de tudo o que tentei dizer a propósito desta recuperação, 38 anos depois, do livro de Saraiva, e para isso recorro a uma citação do livro: «A partir de agora mesmo, a história começará a ser falsificada» (p. 74).

Era fatal; e foi ainda a isso que tivemos o privilégio de assistir ao longo deste mês.

Osvaldo Manuel Silvestre

Comentários Desativados em O Maio de 68 de A. J. Saraiva, 38 anos depois (II)

O Maio de 68 de A. J. Saraiva, 38 anos depois (I)

Posted in Comentários, Polémica by Osvaldo Manuel Silvestre on Domingo, 25-05-2008

Quando, há 10 anos, escrevi, para uma evocação colectiva dos 30 anos de Maio de 68 no Ciberkiosk, um ensaio sobre Maio e a Crise da Civilização Burguesa, de António José Saraiva – o ensaio intitulou-se «Um Mar sem Margens. Paris, em Maio de 1968, no Olhar de João Cândido e nas Palavras de António José Saraiva», e foi depois recolhido no nº 2 de Zentralpark -, comecei o texto notando a estranheza de o livro de Saraiva ser, de entre todos os do seu vasto corpus, aquele que nunca conhecera reedição, após as duas primeiras de 1970, sucessivas e sem dúvida justificadas pelo escândalo provocado pela edição do volume. Significativamente, o livro viria a ser apenas reeditado em 2005, ou seja, 35 anos depois.

Há 10 anos, as referências ao livro de Saraiva na imprensa portuguesa e nos textos evocativos do evento foram ainda residuais e remetidas quase sempre para o domínio do arqueológico: teria havido uma polémica, sobretudo nas páginas de O Tempo e o Modo, entre os maoístas que então por lá abundavam e o autor, que aqueles apodaram de tudo e mais alguma coisa. 10 anos depois, a diferença da actual evocação do Maio entre nós passou muito nitidamente pelo livro de Saraiva. E porquê? Basicamente, por duas razões: 1) Pelo volume de remissões para o livro, como sendo o livro português sobre o evento (de súbito, toda a gente reconhece o valor de referência da obra e toda a gente sugere a sua leitura); 2) Porque Pacheco Pereira (PP) contribuiu para esse fenómeno, o que, no seu caso, como se pode ler por exemplo aqui, suscitou o clássico debate sobre o valor a atribuir a incandescentes afirmações do passado juvenil. De facto, no caso de PP a revalorização do livro implica uma palinódia pessoal, já que na sua contribuição para o volume colectivo editado então por Zeferino Coelho sobre o livro de Saraiva, PP rematava dizendo que se tratava de «mais um livro para ler atentamente e queimar». Não é que Sottomayor Cardia ou Sebastião Lima Rego dissessem coisas muito diferentes – mas não usavam o fatídico verbo «queimar» aplicado a livros, o que no Ocidente pós-nazi se tornou imediatamente suspeito, tão suspeito que nos bloqueia a hipótese de haver de facto muitos e muitos livros queimáveis. O problema, contudo, é que não nos cabe decidir disso, pelo que a única forma decente de «queimar» um livro é esperar que os vindouros o não leiam; mas para que isso possa ocorrer, é necessário que eles possam vir a decidir, razão pela qual necessitamos de respeitar o princípio ético de preservar todos os livros publicados. Pacheco, tipicamente, decidia – e decide agora que decidiu mal. Do meu ponto de vista, a questão acaba aqui, em sede ético-moral.

Mas não, contudo, em sede política, que é onde o livro de Saraiva nos continua a desafiar. Porque este consenso sobre o livro de Saraiva é não apenas frágil mas falso, pois o que se tem recuperado é, em menor grau, a reportagem daquele mês, e, sobretudo, a crítica, pela esquerda – mas não pela extrema-esquerda, que não era a de Saraiva, e sim pela tradição libertária que marcará o autor na sua fase tardia –, da perspectiva com que os Partidos Comunistas enfrentaram e, em boa medida, atraiçoaram, a dinâmica do movimento estudantil. Tem-se referido bem menos a crítica radical de Saraiva ao capitalismo e, mais do que isso, à Razão instrumental, que para Saraiva definia capitalismo e comunismo juntamente (posição que à época justificava reacções como a de Pacheco Pereira, nisso emblemáticas de toda uma geração) e, antes disso, todo o projecto da modernidade, que Saraiva preferia qualificar como «burguesa»: dissociação entre trabalho e capital, triunfo do espírito de «mensuração» e «contabilização», perda da relação não-instrumental com a Natureza e com o Outro. O marxismo, para Saraiva, seria ainda parte deste devir e, em rigor, a ele só se oporiam duas alternativas: (i) a do cristianismo, que «nas entranhas do seu espírito, tal como o definiram Cristo e S. Paulo, é incompatível com a mentalidade burguesa, porque contém uma semente de desmesura mística inconciliável com a contabilização da vida: uma máxima evangélica diz que quem quer poupar a vida perde-a» (cito da 1ª edição, p. 19); (ii) a da «antiquíssima cultura camponesa»: «A civilização camponesa é actualmente o único foco de resistência ao aburguesamento geral do mundo» (p. 35).

Osvaldo Manuel Silvestre

Comentários Desativados em O Maio de 68 de A. J. Saraiva, 38 anos depois (I)

A feira, outrora agora

Posted in Comentários, Polémica by Osvaldo Manuel Silvestre on Sexta-feira, 23-05-2008

Com todo o frenesi informativo em torno da realização, ou não, da Feira do Livro de Lisboa – em certos blogues, como o da Ler ou o Blogtailors, as notícias eram bidiárias ou mais e ora pendiam para o sim, ora para o não – aprendemos, em directo, a noção de não-evento. Alguns, digamos, os opinadores da estirpe daqueles críticos de Baudrillard que nos garantem, com um sorriso trocista, que a guerra do Golfo teve de facto lugar (até quando teremos de aturar o primarismo dos que nos ensinam que o real existe realmente, em si e por si?), dirão que, na medida em que abre no sábado, a feira será de facto um evento, para a felicidade das multidões de sempre. Por mim, prefiro insistir no que deveria ser óbvio: o único evento desta feira é o dissídio entre editores em função da chegada do corporate capitalism ao mundo da edição lusa (um episódio mais da luta de classes). O resto – ou seja, a feira em si – é um penoso anacronismo que o mercado, na sua dinâmica mais recente, veio banalizar e dissolver enquanto «excepcionalidade anual». O próprio devir das feiras do livro, cada vez mais preocupadas em investir nas novidades e menos nos fundos de catálogo, reproduzindo assim os efeitos mais perniciosos da circulação vertiginosa dos livros pelas livrarias, fez com que estas se fossem auto-anulando, pois não oferecem hoje muito mais do que qualquer Almedina ou FNAC (sendo, em contrapartida, bastante mais desconfortáveis).

Neste contexto, insistir no velho modelo e, desde logo, na uniformidade de stands e práticas, como se assim, ao menos durante o tempo da feira, «todos os editores fossem iguais» – terrível ilusão! -, não é a melhor maneira de revitalizar o evento. Entre redes livreiras, descontos em sites Web, feiras em livrarias, etc., o espaço das feiras do livro é hoje quase nenhum. Quanto ao resto, não creio que «a emoção de subir e descer o Parque Eduardo VII» chegue para sustentar um evento desta dimensão e, menos ainda, o investimento passional, e obviamente não apenas, de tantos editores. A Leya tem pois razão ao querer mudar alguma coisa na feira – mesmo se aquilo que lá quer fazer anuncie, muito provavelmente, a transformação da feira noutra coisa, destinada à glória do star system literário (ou melhor: dos romancistas que vendem).

É pena? É um mundo que desaparece? Talvez. Mas a única maneira de enfrentar um mundo em mudança é começar por aceitar. Aceitar que, como diria Carlos Drummond de Andrade, «O mundo não é o que pensamos». O mundo é o que é. E, no caso do capital, como sabemos há muito, um mundo no qual tudo o que é sólido se transforma em ar. A Feira do Livro de Lisboa é apenas a última ocorrência, modestamente pitoresca, desse fenómeno.

Osvaldo Manuel Silvestre

Comentários Desativados em A feira, outrora agora

Da (infeliz) relevância da literatura

Posted in Comentários, Polémica by Osvaldo Manuel Silvestre on Segunda-feira, 07-04-2008

Tenho assistido, por intermédio do folhetim disponibilizado por Francisco J. Viegas, aos episódios da polémica desencadeada pela opinião manifestada por José Eduardo Agualusa ao jornal Angolense sobre o valor estético da obra poética de Agostinho Neto, que para o romancista não seria grande coisa. Neto, adianta Agualusa, poderá ter sido uma figura decisiva na luta pela independência, poderá mesmo ter sido «boa pessoa» – qualificação que Agualusa logo modaliza com um prudente «não sei» – mas isso não implica que tenha sido um grande poeta. E quem diz Neto diz ainda outras figuras fundadoras da ideia de Literatura Angolana e, em simultâneo, da ideia de Angola, como António Cardoso ou António Jacinto – diz Agualusa.

O que se seguiu é inteiramente esclarecedor sobre a natureza do regime de Luanda, mas por aí não há propriamente novidade. A novidade, pelos vistos, é o livre exercício do juízo estético no que toca à valia da obra poética de Neto. Juízos muito semelhantes sobre Neto, e ainda mais críticos, já os ouvi eu a vários autores africanos de relevo, ainda que quase todos «no conforto da privacidade». Embora o tópico em pauta – a poesia de Neto – nunca me tenha conseguido interessar, li essa poesia o suficiente para perceber que Neto só pode ser resgatado como «trovador» da Nação. Ele próprio, aliás, assim se define quando proclama ser aquele «por quem se espera». Há porém um oceano de diferença entre dizer Neto um poeta e dizê-lo o «trovador nacional» e essa diferença pode resumir-se assim: se o poeta é passível de juízo e dissenso (é aliás essa a condição de existência da poesia na modernidade), o segundo, que integra uma outra modernidade, a política, configurada em torno da emergência do nacionalismo, parece ser tão insusceptível de crítica quanto a própria ideia de «nação angolana», que tipicamente estaria além (ou aquém) de todos os juízos e de todos os dissensos. Digamos que o consenso sobre a precedência indiscutível da ideia de «nação angolana» é o pressuposto sobre o qual, ou a partir do qual, se poderiam manifestar divergências. Como porém Neto é esse precedente e esse pressuposto, e como Neto foi em simultâneo o Trovador e o Pai Fundador, a natureza daquele precedente e daquele pressuposto impede e bloqueia o reconhecimento de qualquer possibilidade efectiva de dissenso. Será preciso que Neto, e a ideia de «nação angolana» como pressuposto de qualquer divergência, possam tornar-se criticáveis – ou seja, será preciso que Neto morra um bocado mais, e com ele o carácter historicamente «necessário» da ideia de nação de que resultou a actual Angola – para que ambos possam vir a ser debatíveis. Desse ponto de vista, o episódio Agualusa, mais o cortejo patético de reacções suscitadas, demonstra apenas que é ainda demasiado cedo: Neto é demasiado necessário a uma certa ideia de nação – que antes de ser angolana é europeia ou latamente ocidental – para que nação e Neto possam ser já abertamente discutidos. [continua aqui >>>]

Osvaldo Manuel Silvestre

Comentários Desativados em Da (infeliz) relevância da literatura

Nem todos os nossos poetas são os nossos poetas

Posted in Polémica, Vária by Rui Bebiano on Domingo, 30-03-2008

Cheguei ao caso através de um post de Francisco José Viegas. Nele se chama a atenção para uma opinião de José Eduardo Agualusa, expressa durante uma entrevista concedida ao jornal Angolense, segundo a qual Agostinho Neto, António Cardoso ou António Jacinto poderiam ser «eventualmente muito boas pessoas,(…) mas eram fracos poetas». Claro que, sobretudo por causa do primeiro, caíram o Carmo e a Trindade para os lados de Luanda, ao ponto de começarem de imediato a correr declarações tendentes, uma vez mais, a desqualificar Agualusa no plano intelectual, político e até pessoal, acusando-o, por exemplo, de ter ido «longe demais ao atacar grandes figuras emblemáticas da literatura nacional».

Sem ser crítico literário, conheço o suficiente da obra dos três autores angolanos para, neste caso, concordar genericamente e em consciência com Agualusa. O que não invalida que admita que, para muitas pessoas para as quais a grande poesia deva «conter mensagem», ou então «exprimir sentimentos» sob «belas palavras», eles mereçam todos os epítetos que lhes possam conferir a aura dos «grandes poetas». Posso dizer a mesma coisa da poesia de Miguel Torga, Eugénio de Andrade ou Manuel Alegre, que não considero grandes poetas embora deva respeitar quem ache que o são ou quem tenha gosto em lê-los. Como reconheço a honestidade e o esforço que todos eles foram, eventualmente, depositando no seu próprio labor poético. Aquilo que não é tolerável é que a obra de alguém – poeta, crítico, amola-tesouras ou qualquer outra coisa – esteja isenta de exame e origine formas de coacção sobre a opinião ou a iniciativa de quem a possa contestar. Pelo que se pode ver, na ainda débil democracia angolana, onde se mantém um regime «firme e determinado, mas não totalitário» (palavras de um editorial do sempre oficioso e oficiante Jornal de Angola), permanece com voz activa quem pense que deva estar. Concordo com FJV quando este lembra que «convém estar atento, para que não pensem que ninguém ouve».

Rui Bebiano

Publicado também em A Terceira Noite

Comentários Desativados em Nem todos os nossos poetas são os nossos poetas

Códigos de (má) conduta

Posted in Polémica by Osvaldo Manuel Silvestre on Quarta-feira, 13-02-2008

expresso.jpg

O recente episódio da resenha não-publicada (ou melhor: censurada) de Dóris Graça Dias (DGD) a Rio das Flores, de Miguel Sousa Tavares (MST), no Expresso, é apenas a última ocorrência de um estado de coisas a que ninguém escapa ileso nos média portugueses. Muito brevemente, eis o talvez essencial sobre a questão:

1. Da qualidade ou não da resenha. De acordo com alguns – Henrique Monteiro, desde logo, MST, claro, e ultimamente o próprio Conselho de Redacção do jornal, além de outros opinadores – o texto em causa confunde resenha com ataque pessoal, pelo que não cumpre a função de uma resenha. É um mau espécime do género, digamos, razão pela qual bem andou o solícito director do Expresso ao não permitir a sua publicação em papel (o que já não sucedeu on line: muito haveria a dizer sobre a net como espaço de alívio da má consciência – deve ser esta a versão jornalística da «catarse» aristotélica). Ora, sejamos claros, por que é que a qualidade da resenha é uma falsa questão? Porque (i) lendo o texto, não me consigo aperceber de uma diferença qualitativa notória entre este e todos os outros que DGD vem publicando no Actual. A sua presença regular é aliás um indício evidente do vácuo crítico do Actual desde há demasiado tempo, situação obviamente sufragada por quem dirige o jornal, não se percebendo pois por que razão este texto deva ser considerado especialmente mau; porque (ii) se uma boa resenha é, como pretende o director do jornal em comunicado entretanto publicado, um texto que pratica «o respectivo enquadramento, por exemplo: Onde se passa a acção da obra? Quais as suas personagens? Qual o tempo histórico que abarca?», isto só significa que o director agora auto-promovido a doutrinador da crítica não só desconhece toda a história da crítica moderna, como seguramente consideraria inaptos para a função críticos como Harold Bloom e Eduardo Lourenço (fico-me por aqui) – assim como consideraria muito apto um Vasco Pulido Valente, que num texto tão demolidor quanto criticamente vesgo arrasou o romance de MST precisamente por lhe fazer as perguntas que Monteiro propõe para o novo decálogo da crítica; porque (iii) se a questão é o ataque mais ou menos feroz, não se percebe como foram publicadas algumas resenhas das mais marcantes de um António Guerreiro, por exemplo; porque (iv), enfim, a maior ou menor qualidade do texto, como a sua natureza supostamente pouco ética, não afecta o ponto essencial, a saber, que houve um efectivo acto de censura. Do ponto de vista deontológico, ter-se permitido que MST lesse o texto antes da sua putativa publicação é mesmo algo que dispensa comentário.
[continua aqui >>>]

Osvaldo Manuel Silvestre

Comentários Desativados em Códigos de (má) conduta