Os Livros Ardem Mal

Paulo Henriques Britto (V)

Posted in Autores by Osvaldo Manuel Silvestre on Quarta-feira, 24-09-2008

Da série «Gramaticais», os poemas I e V: 

Uma palavra que entre as coisas caminhasse
tal qual um deus incógnito entre os mortais,
sem revelar a sua verdadeira face.

Uma palavra que vivesse na linguagem
perfeitamente engastalhada em meio às coisas,
como a maçã na casca ou a ervilha na vagem.

Uma palavra que pulsasse sob a derme
como aguarda sem pressa a hora de espocar
de sua cápsula, uma semente ou germe.

Enfim, uma palavra apenas que pudesse
abarcar todo mundo, e nele não coubesse.

 

(Mas nada disso faz sentido,
porque é concreto, é existente.
Só significa o construído,
o que é postiço e excedente.

E quanto ao mundo – o que independe
dos artefatos, o que é dado
a todos e ninguém entende –
o mundo vai bem, obrigado,

e não quer dizer coisa alguma.
Porém o jogo continua,
como sempre, é claro – talvez

um pouco mais seco, mais duro,
sim, um pouco mais inseguro.)
Pronto. – Agora é a sua vez.

Advertisements

Comentários Desativados em Paulo Henriques Britto (V)

%d bloggers like this: