Os Livros Ardem Mal

Arménio Vieira (II)

Posted in Autores by Osvaldo Manuel Silvestre on Quarta-feira, 09-07-2008

DERIVAÇÕES

Heliofante: filho de um deus
chamado Sol. Gosta do arco-íris
e do girassol. Quando fode,
é por foder. Nunca come.
Para quê? Basta um raio
para lhe carregar a pilha.

Helifante: tem um hélice na cauda,
e caso quisesse poderia voar.
Mas não. Cada um é o que é:
o condor sente-se feliz lá em cima,
porém o sapo coaxa contente no charco.

Leofante: tem o seu quê de leão,
mas não quer ser rei. Às vezes
sente raiva e um nó na garganta.
Porém controla-se e vai embora.

Olifante: tem chifres enormes,
mas é mole de pila. Dão-lhe
com os pés as damas, mas ele
não se zanga, pois sabe
que o amor para durar
só pode ser o amor
de que falava Platão.

Polifonte: não tem pátria, por opção.
Tanto se lhe dá que faça sol
ou caia neve, nada o aquece
ou arrefece. Até gosta de Pasárgada,
que, entre outras coisas,
é o melhor sítio do mundo
para se andar de burro.

Plurifante, Mitofante, Necrofante,
Ornifante, Putifante, Androfante,
Fenolofante
e assim por diante.

Elefante não, porque já existe.

Advertisements

Comentários Desativados em Arménio Vieira (II)

%d bloggers like this: