Os Livros Ardem Mal

Aproveitando o embalo do «Maio» (IV)

Posted in Comentários, Notas by Miguel Cardina on Quinta-feira, 15-05-2008

O carácter plural do «Maio de 68» e a sua dívida notória ao «tempo quente» no qual se insere – tantas vezes funcionando como uma metáfora do ano ou da década – tem levado a leituras distintas sobre o acontecimento, por vezes incapazes de ver que o pomo da discórdia está simplesmente na mútua parcialidade dos dialogantes.

Por outro lado, também é certo que a memória tende a recatalogar o passado de acordo com aquilo que o presente nele reconhece. Reescrita essa que é, por si só, um interessante objecto de análise, e porventura um processo salutar, mas que nem sempre conduz a um conhecimento mais completo (e complexo) do acontecido.

Por ambas as razões, é útil deixar aqui os onze temas principais que, segundo Bertram Gordon, constituem as linhas mais comuns através das quais, retrospectivamente, o antigo activista soixante-huitard olha para os acontecimentos:

1. O entendimento do movimento francês como parte de um fenómeno mundial;
2. A luta por uma sociedade anti-hierárquica e igualitária;
3. A componente radical [“More red than Mao”, dizia o L’Express a 13 de Maio];
4. A ênfase no socialismo e no melhoramento das condições de vida dos trabalhadores;
5. Argumentos a favor de uma revolução cultural e de uma transformação libertária;
6. O atenção às temáticas emergentes do feminismo;
7. A ideia de “fracasso”;
8. A contestação ao funcionamento da universidade;
9. A repressão policial;
10. Os efeitos a longo prazo nos participantes;
11. A importância do Maio de 68 no século XX francês.

Bertram Gordon (2003), “The Eyes of the Marcher: Paris, May 1968 – Theory and its consequences”. In: De Groot, G. (org.), Student Protest. The Sixties and After. London e New York: Longman, pp.39-53.

Miguel Cardina

Comentários Desativados em Aproveitando o embalo do «Maio» (IV)

%d bloggers like this: