Os Livros Ardem Mal

Um anjo à nossa mesa

Posted in Autores, Comentários by Luís Quintais on Terça-feira, 04-03-2008

Lisboa, anos 90. Comprava livros de Maria Gabriela Llansol. Era sagazmente impenetrável, e isso atraía-me. O meu entendimento da sua escrita seria afinal a confrontação com um limite: uma sala onde não se entra porque não se acha digno de nela entrar. A beleza, e a moderna inexorável desconfiança em relação à beleza, àqueles textos, àquele Texto, como ela certamente (certeiramente) preferiria.

Há seres que vivem encantados. Sonham, conversam com Bach, Hölderlin, Rilke, figuras de plasma, figuras de crença. E a crença, para bichos como eu, é sempre o limite. O desencantamento do mundo, e o magnífico brilho daquilo que nos escapa, sempre.

Que sortilégio nos escapou, que sortilégio necessário nos escapou, interrogamo-nos? É isso que encontro outra vez no que ela escreve em Contos do mal errante, por exemplo: «heréticos e ortodoxos declararam-nos hoje fora do género humano. Não tenho coragem para lhes perguntar a que espécie pertencemos.» (p. 136)

Ela permanece, permanecerá sempre, como uma sala onde não posso entrar. É assim que a prefiro recordar.

Luís Quintais

Anúncios

Comentários Desativados em Um anjo à nossa mesa

%d bloggers like this: