Os Livros Ardem Mal

O fim dos bravos

Posted in Livros, Recensões by Rui Bebiano on Quinta-feira, 30-04-2009

Wellington

«Com mil demónios! Julgo que não teríamos conseguido se eu não tivesse lá estado!» A frase foi pronunciada pelo Duque de Wellington quatro dias após ter comandado as tropas britânicas, holandesas, belgas e alemãs na batalha de Waterloo, selando aí o destino de Napoleão Bonaparte. Evoca também o tema central deste livro de John Keegan editado há já mais de vinte anos, logo após O Rosto da Batalha. Neste, era o soldado o protagonista, evocado na sua relação com a experiência directa da dor, da vozearia, do terror, da audácia e da exaustão espalhados pelos terrenos do combate. Em A Máscara do Comando é a figura do general ou daquele que assume o comando supremo que se encontra no centro, abordada pelo historiador a partir da leitura de quatro biografias e de quatro diferentes modelos de liderança.

Alexandre o Grande corporiza aqui o arquétipo do «herói». Um guerreiro que aparenta não ter medo, que dá o exemplo batendo-se de espada na mão na primeira linha do combate corpo a corpo, que é excessivo, teatral e de uma certa forma eloquente, ganhando a admiração dos seus e o temor dos adversários por arriscar permanentemente a vida e decidir sempre de uma forma rápida e na aparência inesperada. Já Arthur Wellesley, o Duque de Wellington, é o «anti-herói», que descrevia os seus soldados como «escumalha da terra», mas ao mesmo tempo se comportava como um gentleman disciplinado, minucioso nos seus deveres, invariavelmente sóbrio e contido, aparecendo e desaparecendo sem grande alarido dos locais mais críticos da batalha. O General Ulisses S. Grant surge então como um comandante «não-heróico», de certa forma democrático, que se via a si mesmo como alguém que não era muito melhor do que os seus homens e dirigia os combates com um charuto no canto da boca, às vezes embriagado, recorrendo a meios, como o telégrafo e o caminho-de-ferro, que alteravam radicalmente a condução das operações e o afastavam muitas vezes da linha de fogo. Adolf Hitler é aqui o «falso herói», que se apoiava, com recurso a uma propaganda meticulosamente organizada, na sua capacidade oratória, numa memória excepcional e na glória simulada de um passado de combatente na Primeira Grande Guerra – onde servira basicamente como estafeta – para chefiar, a partir de um bunker, operações que se desenrolavam a centenas ou mesmo a milhares de quilómetros de distância.

Do tratamento destes quatro padrões de comandante, associados a outras tantas formas de comandar, sobressai a percepção da chefia suprema do acto militar como actividade com uma forte componente cultural, capaz de associar os meios de combate e as opções estratégicas nele postas em prática a um padrão de comportamento, a uma «máscara», adoptada pela personalidade de quem os dirige. A atitude diante da condição heróica surge pois como dependente tanto da escolha individual como das condições objectivas impostas aos actos de guerra. Nas circunstâncias da era nuclear, a nova liderança, apelidada aqui de «pós-heróica», requer então uma actuação clara e racional que atribui ao chefe supremo das forças em confronto um papel menos central, embora não menos decisivo. «Outrora, os bravos terão sido aclamados em paradas triunfais pelas ruas de Persépolis. Hoje, os melhores devem esforçar-se por não assumir o papel de heróis.» A guerra contemporânea inutiliza e reclama o apagamento da antiga ética do heroísmo.

John Keegan, A Máscara do Comando. Tradução de Susana Sousa e Silva. Tinta-da-China, 456 págs. [ISBN: 978-972-8955-86-1]

Publicado originalmente na revista LER de Abril

Comentários desligados

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: